Pesquise aqui os títulos do blog

Carregando...

quinta-feira, 14 de abril de 2011

SHOWROOM BUSOLOGIA

o

Prezados amigos e visitantes do blog Showroom Imagens do Passado.

    O universo automobilistico é realmente uma das culturas mais fascinantes que  a sociedade atual pode conhecer.
    Claro que esta é uma cultura para as pessoas que realmente são apaixonadas por carros, pessoas que gostam de estudar as diversas fases, facetas e capitulos sobre a história do automóvel.
    É incrivel, como um conjunto mecânico formado, por chapas, rodas, parafusos, mangueiras, vidros, plásticos e tecidos consegue fascinar tanto as pessoas, até mesmo os mais leigos no assunto.
    Mas se hoje algumas pessoas da sociedade atual tem como "hobbye " o universo automobilistico e a sua respectiva história, é por que algum dia tudo começou em alguma fábrica .
    Claro que ao longo de todos estes anos da industrialização automobilistica, muitas empresas surgiram, algumas estão aí até os dias de hoje, outras foram fechando as suas portas ao longo dos anos, algumas foram apenas uma grande e breve aventura e outras acabaram sendo absorvidas por empresas maiores.
    Baseado nisso meus amigos, na postagem de hoje, quero falar sobre uma das  empresas pioneiras no seu segmento, o do transporte urbano e coletivo, a Carrocerias Eliziário de Porto Alegre .
    Toda a pesquisa de resgate histórico e fotográfico mostrado aqui nesta postagem, foi desenvolvida por Marcos Jeremias que é um dos autores do blog.
    Juntamente com Salomão Golandski, Élvis Igor e com a colaboração especial de Renata Bertoglio.
    Nenhum ponto da empresa foi esquecido, tudo foi visto e revisto, desde a negociação de entrevistas com empresários, ex-funcionários, motoristas, com a própria família Eliziário e também a busca por todo o material necessário e indispensável para documentar toda esta grande e maravilhosa história.
    Tudo isso para contar o que realmente aconteceu, o sonho, a trajetória e a história de Eliziário Goulart da Silva.
    
    A partir de agora convido todos vocês  meus amigos, visitantes e seguidores do blog, para embarcarem para mais uma viagem de volta ao passado, entrem, escolham os seus assentos, fiquem à vontade, pois vamos fazer uma viagem de Eliziário ......................
     

    Tudo começou por volta do ano de 1916, Eliziário Goulart da Silva , um jovem de apenas 15 anos de idade, começou a trabalhar em uma pequena marcenaria auxiliando na produção de móveis.
    Com o passar do tempo o jovem Eliziário demonstrou grande interesse e habilidade no trabalho, passando logo para marceneiro.
    Em uma certa ocasião seu patrão pediu-lhe que adaptasse sobre a carroceria de um caminhão GM uma pequena carroceria.

" Não precisa ser nada bonito não, pode ser tipo uma caixa " , disse o patrão.
Nesta fotografia um dos primeiros veículos adaptados por Eliziário.
   
     Nesta época os chamados " baús " eram construídos somente em São Paulo e devido aos altos custos, o patrão acabou pedindo ao funcionário habilidoso, perfeccionista e atencioso que construísse algo similar.
    O serviço acabou ficando melhor do que o esperado, e ainda melhor do que os serviços executados em São Paulo, tudo ficou perfeito e por ser um trabalho artesanal logo acabou chamando a atenção das pessoas.
    A partir daí, o jovem marceneiro começou à fazer um, dois, três, quatro baús, tendo grande reconhecimento pela sua mão de obra.
    Eliziário, acabou percebendo o valor da sua mão de obra e decidiu trabalhar para si mesmo.
    Em 1928, sob um pé de plátano no bairro Passo da Mangueir em Porto Alegre, surgiu a primeira oficina do encarroçador que trabalhava com um dos seus filhos, chamado Astrogildo, dando os passos iniciais  de uma das principais empresas de ônibus da capital.
    Como todo pioneiro Eliziário, começou aos poucos mas foi ganhando cada vez mais a confiança de seus clientes.
    O sucesso de Eliziário crescia e com o passar do tempo e sua fama acabou indo além.
    Na ocasião em que a Coca-Cola estava se instalando aqui no Brasil, Eliziário e sua equipe foram constratados para produzir as primeiras " gaiolas " sobre o chassi de caminhões para transporte de bebidas.
    Em 1928, Eliziário recebeu o primeiro grande lote de serviços: foram 18 caminhões feitos à sombra das folhas alaranjadas do plátamo.
   
    " Fui a primeira pessoa a tomar Coca-Cola no Brasil " , disse Astrogildo, filho de Eliziário.
    A Coca-Cola ao contratar-nos mandou dos EUA, uma caixa de madeira com garrafas cheias, para que pudéssemos ter a noção de tamanho e peso para a construção das carrocerias.
    Como era novidade resolvi abrir uma garrafa e tomar, a bebida estava quente e o gosto daquilo era horrível.
    Logo disse ao pai.... " isso não vai vender aqui não e ainda vai nos afundar junto" .

    Quem diria tanto a Eliziário, quanto a Coca-Cola foram sucesso mundial.
    Em 1930, partiram para a construção de " jardineiras" com chassi Ford e Chevrolet e anos mais tarde com DeSoto e International.
    Já no início da década de 40 produziram também os conhecidos " Woodies" que transformavam-se em pequenas lotações.

Um dos primeiros veículos adaptados por Eliziário, entre as décadas de vinte e trinta sobre chassi comerial.

" Jardineira" - O início da era do ônibus, 1939 Viação Férrea do Rio Grande do Sul.
 (Fonte da Imagem: Acervo de Vladimir Monteiro)
Eliziário " micro-ônibus ", construído sobre chassi comercial Chevrolet Gigante 1944.
Eliziário Micro - Ônibus Rodoviário Ford 1948.

    Na primeira fotografia uma " Chevrolet Woddie " construída sobre um chassi comercial provavelmente 1941.
    Na terceira fotografia, mais uma Woddie, desta vez sobre um chassi Chevrolet, que era especificado como " Eliziário Micro - Ônibus Rodoviário " .
    O Ford 1948  da fotografia acima, pertenceu a Empresa Erechim de Porto Alegre , atualmente conhecida como Unesul.


Eliziário sobre chassi comercial Ford Hércules 1942.
    O Plátano do Passo da Mangueira em Porto Alegre, foi a primeira oficina de Eliziário, que ajudou nos passos iniciais da principais empresas de ônibus da capital.
    Algum tempo depois Eliário montou um galpão e depois do galpão o veio a fábrica.
    Artista, artesão, criativo, Eliziário canalizou sua imaginação para o ofício de construir caminhontes e caminhões de carga.
    Foi muito mais longe que a sua imaginação, então começava a ser colocado em prática, na Rua Domingos Martins, no bairro Cristo Redentor, as idéias do jovem marceneiro.
    Na década de quarenta, o bairro Cristo Redentor toma uma configuração industrial, com a instalações das empresas Fogões Wallig , Tintas Renner e Metalúrgica Matarazzo e junto a isso começam as obras de alargamento da Av. Assis Brasil.
    Em 1946 Eliziário Goulart da Silva, casado com Elvira Martinelli, com quem teve quatro filhos, sendo eles, Astrogildo Goulart da Silva, Aldo , Alexandre e  Aldamira Goulart, inaugura o seu novo parque fábril e inaugura oficialmente a razão social " Carrocerias Eliziário Indústria de Ônibus " .
    Eliziário foi desportista, filantropo, e colabora assim com a construção e fundação do Hospital Cristo Redentor, que existe até hoje.
    O crescimento econômico da cidade reflete no bairro Cristo Redentor, que começa a receber moradores não só de outros bairros da cidade, como também do interior do estado.




      Rua Domingos Rubbo nº  863 em 1948, onde futuramente seria construído o prédio nº 3 da Carrocerias Eliziário.
    Na primeira fotografia nota-se ao fundo a Igreja Cristo Redentor, existente até hoje na Av. Assís Brasil, em outro ângulo podemos ver a presença de alguns chassis comerciais para encarroçamento.
    Fotografia gentilmente cedida pelo amigo Tulio Goulart da Silva.

    No final da década de quarenta, nos Estados Unidos, já existiam os " Twin Coach " - ônibus adaptados em carrocerias de alumínio.
    Eliziário acabou importando um desses ônibus para estudá-lo em Porto Alegre.
    E assim iniciou-se  uma trajetória  que ajudou a desenvolver o transporte coletivo nacional e a fortalecer a maior indústria de ônibus do Brasil.
    Produzir um ônibus naquela época era um trabalho totalmente artesanal, pois não existiam chassis para encarroçamento, era preciso desmontar caminhões e fazer adaptações, muitas vezes cortando ou emendando, tanto no comprimento como na largura.
    A parte interna e a estrutura do ônibus eram feitas com madeira de lei, como canela e açoita-cavalo, os vidros eram cortados um a um com riscador de diamante, enfim, um grande e valoroso trabalho.
    A fábrica foi crescendo, até que o elevado número de vendas acabou exigindo a contratação de novos funcionários e o aumento das instalações da mesma.
    A necessidade de adaptar um chassi consumia muitas horas e uma perícia muito grande dos operários, a madeira era trazida do interior paranaense e era cuidadosamente trabalhada.
    As forjas reduziam o tempo na produção de pára-choques e demais peças metálicas, mas muitas ainda eram desenhadas e dobradas a mão e martelo na " bigorna " .
    Os vidros eram de 6 mm  e logo em Porto Alegre a indústria acabou desenvolvendo o " vidro temperado " , onde a Eliziário enviava o molde de seus vidros ao fornecedor e o corte já vinha pronto.
    E isto acabou sendo um marco na evolução tecnológica da industria de carrocerias de ônibus.


Solenidade para a apresentação da maquete do Eliziário Coach.
Lançamento de peso na década de quarenta -   Eliziário Coach Intermunicipal GMC  PDI - 3703 1947.


 

   
   

















Formas arredondadas, revestimento externo em alumínio: O Coach da Eliziário marcava espaço entre o segmento de ônibus intermunicipais.


    Em 1947 a Eliziário começava a mudar o cenário do mercado de carrocerias de ônibus, colocava na linha de montagem um novo projeto, que já traria uma série de inovações, pois já marcava uma nova era em ônibus.
    Capuz do motor com isolamento, porta com acionamento pneumático, poltronas estofadas com maior espaço e uma disposiçao de 38 lugares, este modelo seria produzido até 1949 e era conhecido apenas como Coach derivado do americano que Eliziário havia importado para estudos.
    O Coach da Eliziário era encarroçado sob chassi GM PDI 3703 de 211 hp, importados de Detroit.
    A sigla PDI significava " Parlor Diesel Intercity " ou veículo intermunicipal à diesel.
    Em 1948 o  " Plano Salte " , tinha como objetivo ordenar gastos públicos e reduzir as importações, o que acabou beneficiando indiretamente a Carrocerias Eliziário, que passou a ser a principal referência em matéria de ônibus no país.
    Um processo quase que totalmente artesanal, transformava lata e ferro em um produto de grande qualidade.
    As tintas para pintura eram todas importadas da Sherwin - Williams , mais tarde a Tintas Renner, empresa vizinha da Carrocerias Eliziário na Av. Assis Brasil, começou a desenvolver as tintas e testar nos veículos em processo de pintura.
    Inúmeros modelos foram produzidos, desde de jardineiras, lotações, ônibus urbanos até chegarem aos rodoviários.
    Naquela época os veículos produzidos pela Carrocerias Eliziário, não possuiam nenhuma especificação de nome (modelo) eram todos conhecidos apenas como Eliziário.
    Foi nesta mesma época também que a Carrocerias Eliziário lançou  no mercado uma série especial com 50 unidades produzidas, sendo 6 delas adquiridas pela empresa Unetral de Erechim/RS, hoje atualmente conhecida como Unesul.
    Tratava-se de uma nova tentativa no setor rodoviário, um projeto desenvolvido em conjunto com a Scania -Vabis a partir de um caminhão B-75.

As fotografias acima são do veículo produzido pela Carrocerias  Eliziário em conjunto com Scania-Vabis.

    No início da década de cinqüênta surgia no mercado os primeiros chassis especiais para ônibus, os famosos " LPO " , reduzindo assim o tempo do produto na linha de montagem.
    Porém na ocasião somente alguns clientes adquiriam os novos chassis próprios para ônibus da Aclo , Scania - Vabis , Mercedes - Benz ou os importados Delahaye , pois muitos ainda preferiam encarroçar ou reencarroçar sob caminhões adptados.
    Em 1951, a madeira começa à perder espaço, sendo gradativamente substituida pelas estruturas metálicas, o que acabou sendo mais um avanço no setor do transporte urbano.



Nessas três fotografias estão expostos o chassi LK- 321 da Mercedes - Benz, um chassi Chevrolet na linha de montagem e um chassi  do tipo " LPO " importado pronto para encarroçamento.


    Substituir a madeira e entrar na era metálica, além de ser uma novidade, tinha também uma grande vantagem - " A redução do peso do ônibus ", o que acabava influênciando diretamente no bolso dos empresários na hora de escolher a marca do seu produto.
    Ainda em 1951 começaram a sair as designações dos produtos Eliziário sendo assim lançado o
" Eliziário Belveder " .
    A partir do Belveder,  a Eliziário começou a equipar os seus ônibus rodoviários com poltronas Pullman, projeto originário do americano George  Pullman de 1897, o que deixava estes modelos com um item de acabamento, conforto e requinte à frente dos rivais.

Eliziário Belveder " Pullman " mecânica Mercedes-Benz.

    Em 1952 ocorre o lançamento do " Eliziário Gostosão " , que teve até uma série especial sobre o chassi importado Delahaye com 168 hp, na época muito potente, mas com grande consumo, estes veículos deixavam a fábrica com o nome " Pullman " estampados em suas laterais, simbolizando e deixando visivel o item conforto.
    Em contrapartida a Mercedes - Benz lança sem monobloco " 0- 321 HL " rodoviário uma novidade, mas não uma preocupação, pois o sucesso da Eliziário era tão grande devido a sua qualidade e aceitação no mercado que as principais empresas nacionais como NSª Penha , Cerro Azul , Garcia , Real Expresso , Catarinense , Viação Cometa e muitas outras tinham veículos Eliziário em suas frotas e também pela  questão das exportações pois naquela época a Eliziário já estava presente em países como Argentina, Uruguai, Paraguai, Chile e Venezuela.
    Em 1955, a Carrocerias Eliziário foi a primeira empresa a encarroçar um " Gostosão " urbano em um chassi Volvo importado, era o resultado de mais um avanço da empresa gaúcha , que no mesmo ano decidi redesenhar o modelo Belveder, perdendo assim o desnível do teto.
    Em 1956 seria lançado o modelo " Imperador " e logo o " Imperador Diplomata " , nas versões urbana,  rodoviário e micro - ônibus.


Eliziário " Gostosão ", construído sobre chassi Delahaye  1953 motor com 168 hp, vinte e cinco veículos vendidos para a Venezuela.

Eliziário " Gostosão " 1955, o primeiro ônibus produzido sobre chassi Volvo.

Imperador Diplomata Mercedes - Benz  LP 312 1958 Empresa Crucero Del Norte.


Imperador Rodoviário Mercedes - Benz LP - 312 1955 - Empresa Planalto Transportes Ltda.
No início o bagageiro era instalado na parte de tras do ônibus e suas formas arredondas garantia uma ótima performance.

    Em meados da década de 50 e início da década de 60 as cidades cresciam assim como a população.
Algumas linhas de ônibus necessitavam de veículos maiores, de alta capacidade, surgindo assim os chamados " Papa - Filas " , uma espécie de carreta para passageiros utilizados quase que exclusivamente em São Paulo.
    Mas ao mesmo tempo que a cidade exigia em algumas linhas  veículos maiores, algumas outras ligações precisavam de um serviço diferenciado.
    Surgiram então as chamadas " lotações " , veículos menores, já muito usados por empresas particulares que atuaram em várias cidades antes mesmo desta época.
    Foi a partir desta data que motoristas empregados, eram os próprios donos dos veículos e faziam diversas atividades ao mesmo tempo.
    As lotações duraram alguns anos, mas depois foram substituídos por veículos maiores, por causa do aumento da demanda e da reivindicação dos profissionais do transporte contra o acumulo de funções, dirigir e cobrar.



Lotação Eliziário Urbano encarroçado sobre o novíssimo chassi Mercedes - Benz LP- 312 1955.
(Fonte da Imagem : Acervo Vladimir Monteiro )

Eliziário Urbano 1958, construído sobre chassi comercial de um raríssimo Ford FK
G 700, veículo da empresa Citral da cidade de Taquara/RS.

Logo no inicio as lotações tiveram tanto sucesso que a própria Chevrolet chegou a produzi-las no Brasil
( acervo GM Brasil )

Lotações encarroçadas sobre chassis Dodge e Fargo.
Uma proposta inovadora no transporte coletivo " As lotações ".

Eliziário " Gostosão " lançamento em 1952 - veículo equipado com motor Ford F8 de 155hp
Empresa Expresso Azul Ltda .
(Fonte da Imagem: Acervo do Sr. Paulo Glufke)

Carroceria Nicola sobre chassi Chevrolet, rival do " Eliziário Gostosão ".

Monobloco Mercedes-Benz 0-321 HL Rodoviário 1952.
Uma grande novidade que não foi sinônimo de preocupação para a Carrocerias Eliziário.

Eliziário Belveder 1955 reestilizado, chassi Mercedes - Benz equipado com poltronas Pullman.
(Fonte da Imagem: Planalto Transportes)


    Em 1954 acontece a expansão do parque fabril da Carrocerias Eliziário, chegando a 2.050 m² de área construida.
    São implantados também diversos setores na fábrica, tais como: galvanoplastia, estamparia, fabricação de janelas, chapeação, estofaria, polimento e cabine de pintura.
    Astrogildo Goulart,  contabilista, estudioso e dedicado à empresa, organizou e implantou o departamento de recursos humanos e também o cartão ponto na Carrocerias Eliziário.
    Porém ainda em 1954, Astrogildo que acompanhou as atividades da Eliziário desde o princípio acaba deixando a empresa, fundando na Av. Assis Brasil a " Carrocerias Azirma " , passando a ser concorrente do pai.
    Infelizmente Astrogildo conseguiu manter a sua nova empresa somente até 1968, pois esta só conquistou posição de mercado na região norte.
   
Concorrente da Eliziário a Azirma obteve exito somente no norte do Brasil.
Carroceria Azirma, modelo rodoviário  Super Luxo 1960 , sobre chassi Ford F-350.

Nesta fotografia podemos ver um Eliziário Bi- Campeão Urbano na Av. Brasil no Rio de Janeiro, veículo estacionado sobre a calçada no lado esquerdo.
(Fonte da Imagem: Revista Veja )

    Eliziário tinha poucas paixões na vida além do seu trabalho, levava uma vida discreta, sem muitas diversões além da pescaria e da caça.

" Ele andou de bicicleta durante bons anos " , recorda a filha Aldamira Goulart.

    Nos finais de semana, atravessava o Guaíba atrás de alguma caça, juntamente com o genro Humberto Barbieri.
    Eliziário chegava a ir pescar na Argentina, mas na segunda-feira às 06:50 , já estava na empresa cuidando para que a semana começa-se de forma impecável, ficava louco de bravo quando alguma coisa não dava certo. " Eliziário pegava um serviço construía e concluía a carroceria e depois informava o preço ao cliente.
    Dava prazos enormes para os clientes da casa, por algumas vezes chegou a perder dinheiro para não protestar alguns títulos.

" Foi assim que ele venceu na vida, com honestidade " , diz o genro.


    Era começo dos anos 60, algumas pequenas novas empresas estavam surgindo e para se manter na frente Eliziário consulta seus fiéis frotistas que necessitavam de um carro diferenciado.
    O empresário Humberto Albino Bianchi da Viação Minunano sugeriu o uso de uma de suas invenções, a " poltrona leito " .
    Foi então, mais precisamente no ano de 1963, ano do Bi- Campeonato da Seleção Brasileira, em homenagem à mesma é lançado o modelo " Bi - Campeão " nas configurações urbano, rodoviário e rodoviário super luxo, derivando assim nas séries I, II e III.
    O Bi- Campeão teve um toque revolucionário sob os conceitos de carroceria, seu visual era inovador  e seus acessórios e componentes eram inéditos.
    O veículo começou a ser produzido ainda um pouco pesado, cerca de 3.300 Kg na versão rodoviária e 2.700 Kg, na versão urbana para 32 passageiros.
     A qualidade era insuperável, suas linhas, seu charme, as novas disposições de decoração interna e a lista de opcionais, faziam do Bi - Campeão a carroceria com melhor custo benefício, deixando assim novamente a Eliziário em posição privilegiada.
     A proposta do lançamento era tanta, que mesmo sem ter saído um unico veículo da linha de montagem, a empresa paranaense NSª da Penha, já havia encomendado 60 veículos, e em 1964 mais 40 veículos foram adquiridos, totalizando 100 unidades de Bi - Campeões em sua frota.
     O sucesso foi tão grande que ao mesmo tempo a Viação Minuano adquiriu logo de cara 20 unidades na configuração rodoviário Super Luxo Leito, sob chassi Scania-Vabis B-75 renovando a sua frota, deixando-a mais charmosa e com um toque inovador.
    


Eliziário Bi - Campeão Urbano, série I da Empresa Bianchi Transportes Coletivos.
( Fonte da Imagem: Acervo pessoal de Maria Jeremias )

Entrega das primeiras unidades do Eliziário Bi- Campeão Scania - Vabis, para a empresa NSª da Penha, na concessionária SUVESA em 1963.
(Fonte da Imagem: Acervo pessoal de Vladimir Monteiro)
O grande lançamento da Carrocerias Eliziário para 1963.
Eliziário Bi - Campeão Rodoviário Super Luxo na versão Scania - Vabis B-75.
(Fonte da Imagem: Acervo de Marcos Jeremias)

A Empresa de Carrocerias Irmãos Grassi, também era uma grande concorrente da Carrocerias Eliziário, no segmento dos ônibus urbanos.
( Fonte da Imagem: Acervo do Sr. Moacir Ramos)



Carrocerias Catelli & Henneman e Carrocerias Ott, duas grandes concorrentes gaúchas, da região do Vale do Sinos.

    A imponência  e as linhas dos veículos Eliziário, por muitas vezes foram copiadas, mas não chegavam a causar grande impacto.

Nicola Rodoviário sob chassi Mercedes-Benz.

     Na ocasião do lançamento do Eliziário Bi - Campeão em 1963, a empresa Viação Minuano de Porto Alegre através do seu proprietário o Sr. Humberto Albino Bianchi fiel e tradicional cliente da marca escolhe a dedo testar o primeiro ônibus leito brasileiro, em sua viagem inaugural no dia  04 de Maio de 1963 com 16 passageiros.
     O ônibus seria o grande e valente,  Eliziário Bi - Campeão rodoviário leito, montado sob o chassi Scania B-75.
     As viagens entre Porto Alegre e São Paulo, eram completadas em vinte horas, ( a primeira viagem entre essas duas capitais data de 1959 ).

" A viagem foi o maior sucesso, pois estavamos apresentando uma classe de serviço que era novidade para todos, e a procura pelo ônibus leito foi sensacional graças à  decisão da empresa em optar pelo melhor, aliado a qualidade dos produtos Eliziário e Scania" .

Altamiro Antônio Bianchi, filho do Sr. Humberto Albino Bianchi proprietário da Viação Minuano e da Bianchi Transportes Coletivos de Porto Alegre, hoje SOPAL.


Tanto na área urbana como rodoviária a família Bianchi sempre foi fiel a marca Eliziário em suas frotas.
Em destaque Eliziário " Gostosão " urbano 1963, sob chassi Chevrolet , na Av. Brasiliano Índio de Moraes, no bairro IAPI em Porto Alegre.


Porto Alegre x São Paulo com a Minuano.
Fidelidade a toda prova aos produtos Eliziário e Scania.
Material publicitário feito em 1963.


Eliziário Bi - Campeão Super Luxo Scania B - 75  1965, utilizado na linha Porto Alegre - Buenos Aires.

Vista interna do Eliziário Bi - Campeão, poltronas luxuosas e confortáveis, que contavam inclusive com cinzeiros na parte de trás do encosto  e também com um pequena cozinha e toalete.

Este é o Nicola II Rodoviário , concorrente do Eliziário Bi-Campeão.
Um pouco fora dos padrões, mas teve um bom número de vendas.

    Em 1965, o ramo de transporte coletivo,  exigia o lançamento de um novo produto.
    E a Carrocerias Eliziário, para mais uma vez disparar frente a concorrência, fez a reestilização de seus produtos, e apresentou um novo veículo chamado " Astro "  , nas versões urbano e rodoviário.

Eliziário Astro Urbano - Expresso Veraneio Ltda - EVEL .
( Fonte da Imagem: Acervo pessoal de Maria Jeremias)


    Neste mesmo ano a Carrocerias Eliziário detinha 54%  do mercado nacional de ônibus no território brasileiro, e tinha também grandes  concorrentes, todos com boa qualidade.
    Entre os concorrentes da Carrocerias Eliziário, estavam: Catelli & Henneman , Incasel , Ott , Grassi , Nielson , Decândia , Nicola , Ciferal , Metropolitana , Cermava , Mercedes - Benz , Nilo e a própria Azirma .
     Em  nota divulgada pela FABUS, associação que reúne as empresas fabricantes de carrocerias, entre os anos de 1950 e 1970, o Brasil teve mais de 20 encarroçadoras registradas.
    Isso sem contar empresas de outros ramos que se aventuravam a fazer ônibus e pequenos empreendedores que trabalhavam sem registro. E a explicação por esta decisão é muito simples.
     Os transportes por ônibus cresciam na medida em que as cidades se desenvolviam economicamente e em número de população.
     Os bairros estavam se desenvolvendo,  o que significava mais  pessoas para serem  transportadas.
     Surgiam empresas de ônibus mais fortes que precisavam de mais veículos.
     O mercado brasileiro exigia ônibus.
    Importar carrocerias em alguns períodos era praticamente inviável por causa dos custos, ora provocado por fatores externos, como conflitos mundiais, no caso dos anos 40, quando ocorreu  a Segunda Guerra Mundial, ou por internos, como a política nacionalista de Juscelino Kubitscheck que visava estimular a indústria nacional em detrimento dos produtos estrangeiros.
    Com a alta concorrência e a profissionalização de alguns investidores muitas encarroçadoras foram desaparecendo aos poucos.
    Algumas enfrentaram problemas administrativos e outras foram incorporadas por maiores, como a  " Metropolitana " comprada pela Caio, em 1977.
    A disputa era grande, mas a qualidade dos produtos Eliziário era inconfundível, segundo os empresários, como Dorvalino Jeremias , da extinta Expresso ABC .

“Eram os ônibus mais caros que existiam, mas em conforto, luxo, acabamento e qualidade, nenhum outro chegava perto... Naquela época eram os únicos com Toalete, cabine separada e poltrona leito a bordo... Pagava-se caro, mas se pagava por qualidade”.
   
    Devido a muitos problemas algumas foram desaparecendo do cenário e ao longo do tempo aos poucos a Nicola de Caxias do Sul ganhava espaço, em seu principal reduto com o recém contratado vendedor da empresa Antônio Carlos Zanellato Hilgert e isto representava certa ameaça a Eliziário.   
    Barbieri fez um convite a Hilgert na churrascaria Espeto de Ouro, onde costumava levar seus clientes, a intenção era contratar Hilgert, mas ele pediu muito... Estava fora da realidade, pois era braço direito do concorrente. Eliziário ficou assustado com o valor.

“Ele quer ganhar mais que o fabricante” , disse Eliziário.


    Em 1967 para substituir o Bi-Campeão rodoviário é lançado o ônibus que simbolizaria as 3.000 unidades produzidas a partir do alumínio, o E-3000 , que traria um toque mais moderno e imponente a linha de produtos da empresa.




O estilo e o charme das Carrocerias Eliziário - Eliziário  " E - 3000 " Rodoviário, com chassi Magirus - Deutz, da extinta Viação São Luíz ( SALTUR ) de Caxias do Sul.

Eliziário " E - 3000 " Urbano 1967, Mercedes - Benz LP - 321 .
Empresa NSª do Trabalho - Atual Nortran Transportes Coletivos de Porto Alegre/RS.
( Fonte da Imagem: Acervo pessoal de Maria Jeremias )

DIPLOMATA JO Mercedes - Benz LP 334 da Expresso ABC.
Concorrente da Nielson, para os rodoviários da Carrocerias Eliziário.
( Fonte da Imagem: Marcos Jeremias e Renata Bertoglio - Expresso ABC)

     A INCASEL de Caxias do Sul lança o modelo Continental Diplomata, concorrente direto dos demais ônibus rodoviários.
     Porém este modelo obteve pouca aceitação no mercado.

    A Mercedes - Benz e o seu Monobloco 0 -335 Rodoviário, mantendo as suas linhas arredondadas, este grande modelo obteve um bom número de vendas.  Em destaque ônibus número 39 da  " Expresso ABC ".
(Fonte da Imagem: Marcos Jeremias e Renata Bertoglio - Expresso ABC )


     No mesmo ano,  Eliziário Goulart empossa como seu braço direito o Sr. Humberto Barbieri.

     “Naquela época levava-mos cerca de uma semana para entregar um ônibus pronto,  a cada dia três ônibus eram produzidos.
     Lembro que os chassis chegavam de 12 em 12, muitas vezes um em cima do outro, aguardavam no pátio ao lado, e de três em três entravam na linha de montagem,  passavam pela ferraria para fazer a preparação do chassi, após isto eram instalados os tubos que davam inicio a construção da estrutura do ônibus.
      Era um processo muito engenhoso e no final vinha o orgulho... Lembro como se fosse hoje, quem trabalhava na Eliziário era tido como ótimo profissional, a época era muito difícil, ganhava-se muito pouco, mas éramos destaques assim como nas empresas VARIG e WALLIG.
     O  velho Eliziário como alguns chamavam, era exigente, tudo tinha que sair perfeito.
     Ele andava pra lá e prá cá na fábrica, se algo estivesse errado mandava desmanchar e logo  a equipe ganhava um puxão de orelhas, esta exigência toda fazia com que a Eliziário estivesse sempre a frente da concorrência, mantendo e atraindo cada vez mais clientes tradicionais e fiéis a marca como era o caso da Penha e da Família Bianchi além de vários outros.
     Em sua atividade comercial, vender exigia um incessante exercício de contato e deslocamento, fazendo com que alguns de seus diretores assumissem também o departamento de vendas.
     A divulgação era de porta em porta dos transportadores, munidos sempre com fotos mostrando as características de cada produto fabricado " .
Dirceu Fernandes da Silva, funcionário da Carrocerias Eliziário de  1960 á 1970.

Preparação de um chassi Mercedes - Benz.
Montagem de um ônibus Eliziário Astro Rodoviário.
Visita de algumas autoridades as instalações da Carrocerias Eliziário.
A esquerda Eliziário Goulart, um pioneiro símbolo de competência e criatividade.


Eliziário Astro Rodiviário em frente a Carrocerias Eliziário, pronto para ser entregue.



    Considerada fonte de inovações em transportes, a empresa procurava manter-se sempre a frente, e assim, em  outubro de 1967 foi  lançado no mercado, o modelo urbano símbolo das 3.600 unidades construídas em alumínio, o  " E-3.600 " nas versões rodoviário e urbano.
    Mais tarde,  em 1968 o " E-3-600R " ,  com faróis quadrados, este ônibus seria o modelo Luxo da série E-3.600.
    Em 1969 a Irmãos Nicola de Caxias do Sul, lança o modelo rodoviário Marcopolo que fora exposto no Salão do Automóvel em São Paulo, a Eliziário, sempre seguindo uma política de prudência e destaque lançaria assim no mercado em 18 de Agosto de 1969 como forma de  homenagem a Missão Apollo o modelo " Apollo 70 " com a marca recorde de 250 carrocerias por mês e  em dezembro do mesmo ano  o modelo  " Astro II " .


   


   A Viação Minuano, sempre primou pelo maior e melhor produto para oferecer a seus clientes o melhor atendimento.
   Na ocasião do lançamento do Eliziário E -3600 R Leito, a Viação Minuano adquiriu no mesmo instante, vinte unidades do novo ônibus, equipado com chassi Scania.
  A parceria, entre Viação Minuano, Scania e Carrocerias Eliziário, era muito mais do que um simples elo entre clientes .
  Fato publicado nos principais meios de comunicação da época.
  A esquerda um dos materiais publicitários da união destas três grandes empresas.








Eliziário E - 3600 R - Magirus - Deutz da paranaense " Princesa dos Campos ".

Eliziário E - 3600 Urbano, equipado com chassi Magiruz Deutz.
Veículo entregue para a empresa Trevo Transportes Coletivos de Porto Alegre.
(Fonte da Imagem: Acervo pessoal de Marcos Jeremias)


Eliziário Apolo Urbano lançado em 1969.

Eliziário Astro II Urbano Mercedes - Benz da Viação Canasvieiras/SC.

" Eliziário Astro Rodoviário Super Luxo "
A imponência dos produtos Eliziário, veículo da  Planalto Transportes, equipado com chassi FNM 1969.
( Fonte da Imagem: Planalto Transportes)

    Eliziário " Apolo 70 " - Lançado em homenagem a Missão Apolo 11, este seria o ultimo ônibus produzido pela carrocerias Eliziário.
    O  Apolo 70 da fotografia acima era montado sob chassi FNM e pertencia a empresa Planalto Transportes.

Eliziário Apolo 1970, sob chassi Mercedes - Benz  LPO 1113 da empresa Planalto Transportes.

Eliziário Apolo 1970 Rodoviário, sob chassi Mercedes - Benz LP - 321 da Empresa Louzada.


A beleza, qualidade e imponência dos produtos Eliziário faziam a diferença diante a concorrência.

    Infelizmente na década de setenta começaria o fim desta grande empresa gaúcha chamada Carrocerias Eliziário.
    Foi neste ano que após o término de uma auditoria interna, que o Sr. Eliziário Goulart da Silva, viria a descobrir uma série de fraudes na administração da sua empresa.
    Esse grande desgosto, somado a desentendimentos familiares e outros fatores mais, levaram 
"Seu Eliziário", como era conhecido a ter uma atitude inusitada, a venda da Carrocerias Eliziário.
    Convocou uma reunião em Porto Alegre, com os irmãos Nicola e Paulo Belini e perguntou-lhes...

" QUANTO ME PAGAM  EM TUDO ISSO? "

   O Sr. Dorval Nicola respondeu - " Dou-te tanto " , o valor era equivalente a quatro décimos do valor real da empresa.
    De cabeça erguida, voz firme a resposta foi a seguinte, " Aqui estão as chaves, podem levar tudo " .
   Dados não oficiais divulgam que até aquele momento a Carrocerias Eliziário já havia produzido cerca de dez mil veículos desde a sua fundação.
   O valor arrecadado com a venda da empresa, foi investido por Eliziário na construção de 57 prédios em bairros tradicionais de Porto Alegre, passando então a viver da renda de seus aluguéis.
    Ainda em 1970, com encerramento das atividades das empresas ônibus Pilares e Cirb e com a aliança entre a Ciferal e a Metropolitana, no RJ, começava aqui no sul o processo de desaparecimento do nome Eliziário e o fortalecimento da Carrocerias Nicola no mercado.
    Após a compra da Carrocerias Eliziário pela Carrocerias Nicola, e também o grande sucesso obtido após o lançamento dos veículos rodoviários, a Carrocerias Nicola, passa a se chamar, Marcopolo  - Carrocerias Nicola S.A. .

Material de divulgação da compra da Carrocerias Eliziário pela Carrocerias  Nicola.

" CRUZAMOS NOSSOS CAMINHOS!!!!!"

Eliziário " E - 3600 " - Série III - Em 1970 já sob administração da Nicola.
Neste ônibus já nota-se a mudança da janela de emergência lateral, deslocada para o centro do veículo e a reestilização da dianteira.
( Fonte da Imagem: Acervo pessoal de Maria Jeremias )

1971 - Primeiro ônibus da Nicola, produzido nas antigas instalações da Carrocerias Eliziário no bairro Cristo Redentor em Porto Alegre.

    Trata-se do " Nicola Série Prata " , sob chassi Mercedes - Benz LPO - 334 1971 da Viação Auto Petrópolis VAP.
    Nesta fotografia estão; José Heck , Humberto Barbiere , Antônio Carlos Hilgert ( Nicola ), Paulo Bellini (Nicola), Guido Raupp , Eliziário Goulart da Silva , João Rodrigues de Lima e João Brondani (VAP).
    Em 1972 , Eliziário que acompanhou a transição e os primeiros passos da Nicola em Porto Alegre, deixa definitivamente a fábrica.
    Já em 1974 esta detinha 41% do mercado nacional de carrocerias rodoviárias tendo fabricado juntamente com a Eliziário e Nimbus 3.065 unidades.
   Sendo assim fabricados em Porto Alegre, modelos urbanos da Nicola, como o Série Ouro Urbano, San Remo e Veneza, que logo começaram a sair de fábrica com a plaqueta " Carrocerias Eliziário " e o logotipo Marcopolo.

Em 1973 a Eliziário já produzia o modelo Veneza em Porto Alegre, na fotografia acima o registro da entrega de 18 veículos para a Viação Cidade Morena do Rio de Janeiro.

    Em 1977 com a aquisição da Nimbus, o Grupo Marcopolo era composto pelas empresas: Marcopolo S/A Carrocerias e Ônibus , Marcopolo Minas S/A , Carrocerias Eliziário S/A Indústria e Comércio , Nimbus S/A Ônibus e Veículos EspeciaisCarroceria Nicola S/A Manufaturas Metálicas .
    Já em 1979 a Marcopolo altera a denominação da Nimbus, para Invel S.A Veículos Especiais, algums modelos desta marca foram modificados, como foi o caso do “Nimbus Haragano”, que a Marcopolo modificou-o e rebatizou como San Remo.
    No inicio dos anos 80, o desaquecimento da economia brasileira afetou especialmente o setor industrial, agravando o nível geral de desempregos, promovendo uma alta vertiginosa das taxas de juros e constantes majorações nos preços dos combustíveis.
    Estes elementos associados influíram de forma negativa na renovação nacional de frotas das empresas de ônibus.
     A produção de ônibus em 1981, que era de 15.000 unidades foi decrescendo sucessivamente, tendo atingido, em 1985 apenas 6.856 unidades.
    Essa redução em mais de 50% resultou no envelhecimento da frota brasileira, que naquele período chegou a ter 53,9% dos ônibus com idade superior a oito anos, considerada exagerada na ocasião.
    Em 1983 a Marcopolo decide desativar a fábrica de Minas Gerais, onde era produzido o modelo Marcopolo San Remo.
    A crise sofrida nos primeiros anos da década de 80 levou o governo Federal a lançar um plano de estabilização econômica, reduzindo juros para financiamento de bens de capital, atenuando o nível de desemprego e instalando a assembléia.
   A Marcopolo, para superar esse período de crise nacional, reavaliou e modificou seus projetos e sistemas de gerenciamento, bem como linha de produção e estrutura.
    Era então a hora de fechar as portas da Eliziário em Porto Alegre e a Invel (Nimbus), transferindo assim toda a linha e maquinários para Caxias do Sul.
    Essas medidas, num esforço conjunto, cooperaram para que a empresa chegasse revitalizada, ao final da década de 80.
    Em 1989 em Braço do Norte, interior Catarinense aos 89 anos o gaúcho Sr. Eliziário Goulart da Silva faleceu em decorrência de Infarto e fora sepultado em Porto Alegre no Cemitério São João, no Jazigo da Família " Goulart ".
    O velho pioneiro símbolo de competência e honestidade aliados a qualidade e pioneirismo do seu produto que o Brasil e alguns países do mundo conheceram e tornaram a marca Eliziário referência no desenvolvimento do transporte coletivo urbano e rodoviário nacional.
    Já em 1990 as instalações da Eliziário foram vendidas e em 1994 iniciou-se ali a construção de um grande condomínio residencial, ficando apenas o paredão de pedras intacto na lateral da fábrica, a placa de inauguração no Hospital Cristo Redentor e a lembrança na memória viva de cada um que teve o privilégio de trabalhar, admirar e até mesmo andar em um ônibus da Eliziário. 
     As fotografias abaixo, fazem uma analogia entre o passado e o presente, mostrando como era a área onde era situada a Carrocerias Eliziário, entre as décadas de 50 e 60 e como ela esta nos dias de hoje.
     Essas fotografias, foram feitas pelo Marcos Jeremias em Março do ano passado.




    Esta memória ficará para sempre guardada, principalmente por aquelas pessoas que tem ligação direta com o transporte de passageiros como Marcos Jeremias e Salomão Golandski que desenvolveram esta matéria exclusivamente para recordar e resgatar a memória do transporte coletivo nacional.
    Muitas vezes, nem vivemos estas épocas e muitos não se identificam com estas fotos mais antigas, mas elas são de extrema importância para vermos como  o transporte urbano coletivo se desenvolveu e chegaram ao nível que estão.
    Nível este que não é o ideal, aliás, está longe disso, mas, convenhamos melhor em algumas regiões que há alguns anos.
    Muito mais  interessante do que estudar esta história, é poder estar por dentro de uma trajetória, pois momentos adversos marcaram muitas épocas e indústrias.
    Em tempos atuais que muitos nem sequer sabem dessa história toda, ainda é comum avistar alguns veículos produzidos pelas antigas encarroçadoras.
    Muitos Eliziários ainda rodam pelas ruas e avenidas do país, algumas empresas e colecionadores ainda preservam algums de seus modelos, como é o caso das empresas Nortran Transportes Coletivos (resultado da união das empresas Viação São João, NSª Trabalho e Educandário) de Porto Alegre e a Sociedade de Ônibus Gigante SOGIL.
    A Sogil mantém ainda preservado um Eliziário Bi-Campeão Rodoviário Scania-Vabis B-75 1966, o mesmo foi usado na comemoração dos 55 anos da empresa  em 25 de Maio de 2009 fazendo o trajeto Gravataí x Porto Alegre, com 37 passageiros e tripulação vestida a rigor a época do modelo.
    Este modelo da Sogil havia sido vendido pela empresa ao encerrar seu prazo de vida útil, mas anos depois o Diretor Fernando Ribeiro da Empresa Viação Santa Tereza – VISATE de Caxias do Sul – RS empresa do Grupo VISATE/SOGIL localizou-o no interior do estado, restaurou e o colocou para rodar novamente nas cores da SOGIL.
    Já a Nortran de Porto Alegre, por sua vez adquiriu de Alegrete um de seus primeiros ônibus, no caso, de uma da suas antecessoras a NSª Trabalho, o modelo E-3.600 Urbano Mercedes-Benz LP-321 1968 foi comprado e trazido a Garagem da empresa em Porto Alegre onde se encontra em processo de restauração.


Eliziário  " E -3000 ", aguardando processo de restauração em Porto Alegre.

Eliziário Astro Urbano, aguardava o seu desmanche na cidade de Canoas/RS.


 Eliziário Bi - Campeão Urbano série III - à venda na cidade de Santa Maria/RS em Outubro de 2009.
(Fonte da Imagem: Acervo pessoal de Michel Santos)
Eliziário Bi - Campeão Rodoviário transformado em Motor - Home.

Flâmula, pertencente ao acervo de Salomão Golandski, guardada com todo cuidado desde a década de 60 durante visita a Carrocerias Eliziário.


_____________________________________

Showroom Imagens do Passado resgatando histórias.
Prezados Amigos!

   O lema deste blog, é resgatar pequenas e grandes histórias.
    Não só resgatar, mas sim trazer informação e cultura para todas as pessoas que são ou estão envolvidas no meio antigomobilista, seja com seu carro, motocicleta, ônibus, caminhões e até mesmo as pessoas que vão aos encontros para prestigiar.
    Conforme já foi comentado aqui no blog também, quando temos uma grande história  em mãos, fazemos questão que ela rompa os limites do Showroom.
     Mais uma vez, uma destas histórias ganha as páginas da revista Classic Show Magazine.
    Como foi mencionado no inicio desta postagem, todo este trabalho de resgate foi desenvolvido por Marcos Jeremias, Salomão Golandski, com a colaboração especial de Renata Bertoglio.
     A reportagem sobre a Carrocerias Eliziário, começou a ser escrita pelo Marcos Jeremias, na mesma época em que estava sendo escrita a reportagem sobre o Sr. Danilo Michel, meu grande amigo pessoal, que também teve a sua história de vida publicada na Classic Show número 53, intitulada como O AUTOMÓVEL minha vida.




   Quero também dar os parabéns para o Marcos Jeremias que é um dos nossos autores pela excelente e bem elaborada, reportagem sobre a Carrocerias Eliziário.
  E agradecer publicamente aqui no blog Showroom Imagens do Passado a todas as pessoas que colaboraram para que esta grande história pudesse ser contada na íntegra.




Agradecimentos:


Túlio Goulart da Silva – Familia Eliziário
Dirceu Fernandes da Silva – Ex-Funcionário Eliziário
Salomão Jacob Golandski – Historiador, Busólogo
Nélson Becker – Ex-Funcionário Sociedade de Ônibus União Ltda-SOUL
Renata Bertoglio – Expresso ABC Ltda.
Dorvalino Jeremias – Expresso ABC Ltda
Antônio Rodrigues – Expresso Veraneio e Nortran Transportes Coletivos Ltda.
Altamiro Antônio Bianchi – Rizzatti Transportes, a extinta Viação Minuano e Biachi Transportes Coletivos Ltda.

Agradecimentos especiais in memórian:


    Ao Sr. Altamiro Antônio Bianchi , filho do Sr. Humberto Albino Bianchi fundador da Viação Minuano.
    Seu Altamiro veio de Santa Maria – RS e fundou em Porto Alegre a Bianchi Transportes Coletivos que hoje fundida a outras empresas forma a Sociedade de Ônibus Porto Alegrense Ltda – SOPAL.
    No mês de janeiro logo após comentar a reportagem, veio a falecer. Sua família também participa na empresa Rizzatti Transportes Coletivos.
    Ao Sr. Antônio Rodrigues, o “Tio Toninho”, filho do então pioneiro do transporte em Porto Alegre, Sr. “Alberto Rodrigues” .
    Seu Antônio era diretor das empresas Expresso Veraneio Ltda – EVEL e Nortran Transportes Coletivos Ltda, veio a falecer também no mês de Janeiro em decorrência de complicações de saúde.
    A família Rodrigues foi fundadora da empresa Nortran em Porto Alegre, esta que resultou da fusão das empresas Expresso NSª Trabalho, Viação São João Ltda e Auto Viação Educandário Ltda e ainda proprietária do Expresso Veraneio.
    Assim como os Bianchi, os Rodrigues também foram grande clientes da Eliziário e contribuíram para a realização deste trabalho.



Showroom Imagens do Passado resgatando histórias.

Por favor deixe o seu comentário!
A sua opnião é muito importante para nós.

Atenciosamente: Administradores do Blog Showroom Imagens do Passado.

COLABORE VOCÊ TAMBÉM!
envie suas fotografias antigas e sugestões para:


SEJA VOCÊ TAMBÉM UM DOS NOSSOS SEGUIDORES.








71 comentários:

dart 74 preto onix disse...

Muito bom!
Parabéns!
Lembro da oficina de caminhões do meu tio, sempre aparecia umas "jardineiras" dessas, eles desmanchava para fazer caminhão ou carreta para trator!

Anônimo disse...

Esta é mais uma biografia de uma marca, de um homem que deixou sua marca, que começou de funcionário prodígio a patrão bem sucedido.Com certeza desde o começo do sonho, queria vencer, e venceu. Para uns na vida se constroi um império, estudando como pode-se melhorar sempre pensando em oferecer o melhor, a beleza, a novidade para surpreender a todos que vão usufruir do conforto,e segurança.Isso é ser protagonista de alguma coisa nesse mundo.
de Juarez-MT

Anônimo disse...

Ótima matéria. Parabéns!

Somente uma pequena correção.

O termo correto é "Busologia" - e não "busulogia".

Abraços.

G. Nunes
Busólogo

Osvaldo Born disse...

Parabéns, um dos melhores históricos que já vi, deu bastante trabalho reunir tanto material. Para quem curte ônibus sugiro o site do Omnibus do Brasil em www.omnibus.com.br.

Schneider disse...

Fantástico documentário. Parabéns a todos os envolvidos. Tomei conhecimento através de link postado pelo amigo Osvaldo Born em sua lista de discussão, e estou colocando o link também no www.busontheroad.net Mais uma vez, parabéns!!

Chulisbus disse...

Maravilha de documentario, parabens!

ildo pereira disse...

Muito boa a materia da CARROERIAS ELIZIARIO passei varias vezes na frente do predio da eliziario mas ja estava fechada,tambem tive o prazer de trabalhar com onibus eliziario bicampeao que para meu gosto é o modelo de carroceria mais bonito que existia na decada de 70 a 80 que saudades dos ELIZIARIO BICAMPEAO,

Anônimo disse...

morei ate 1971 na vila floresta,passava na frente da eliziario e me encantava como era produzido um onibus,as portas da fabrica eram abertas e conseguia ver os reflexos das soldas e escutava os barulhos de metal com metal,viajei no tempo apos ler esta magnifica reportagem,mas a Eliziario é igual a nós teve o seu tempo e deixa saudades.

Anônimo disse...

Na foto do modelo Continental Diplomata da INCASEL, acredito que houve engano quanto a localização de sua fábrica:Caxias do Sul. A INCASEL era em Erechim.Parabéns por todo material postado.
Um grande abraço, João Antonio Pinto de Carvalho, Porto Alegre.
joaoapcarvalho@gmail.com

abaete disse...

muito obrigado por esta grande reportagem. parece que entrei em uma maquina do tempo e voltei em um passado inesquecivel, ate parece que foi ontem que eu passava na calcada em frente aquela fabrica de sonhos, que eu com meus primeiros passos e entendimento do cotidiano externo do nosso dia a dia da epoca, ficava admirado e encantado com a imponencia daquela fabrica, o movimento daqueles onibus, chassis, barulhos de ferramentas e movimentos de metais e objetos, de carros prontos e por terminar. resumindo uma coisa indescritivel. pena que se acabou. muito obrigado sr. ELIZIARIO por tudo. eu fui um menino que me criei em volta de sua fabrica e ate hoje passo pelo local e vejo estampado na faixada aquelas letras garrafais o manuscrito CARROCERIAS ELIZIARIO. aquele lugar para quem conheceu nunca vai ser esquecido por mais que exista um outro predio no local, sempre sera a nossa ELIZIARIO. repetindo obrigado senhores pela excelente materia. nossa historia nao pode ser esquecida. de Leandro Abaete da Silva - Porto Alegre - RS.

Anônimo disse...

Meu essa reportagem foi de fazer qualquer um viajar cara!!! parabens mesmo pela reportagem toda e mais, eu que nem sonhava em nascer(pois tenho 30 anos) fiquei tipo garoto olhando uma maravilha que o pai conseguiu rsrs. Mas enfim olha só como são as coisas , eu estava procurando informações de onibus antigos e nunca havia ouvido sequer falar na ELIZIARIO e agora comecei a entender mais sobre a Marcopolo e inclusive tb sobre a comil(que me fez procurar informações desta e acabei conhecendo sobre a Eliziario)tem coisas que realmente marcam.
Novamente parabens a todos os responsáveis por essa bela reportagem (que se for vista por uma pessoa de boa visão faria um documentário na tv sobre a mesma pois quantas empresas no Brasil lá do passado deixaram saudades... "Viver a cultura é fazer parte da história; Apreciar a história é como uma viagem de onibus, ninguem esquece a primeira."

Anônimo disse...

Meu essa reportagem foi de fazer qualquer um viajar cara!!! parabens mesmo pela reportagem toda e mais, eu que nem sonhava em nascer(pois tenho 30 anos) fiquei tipo garoto olhando uma maravilha que o pai conseguiu rsrs. Mas enfim olha só como são as coisas , eu estava procurando informações de onibus antigos e nunca havia ouvido sequer falar na ELIZIARIO e agora comecei a entender mais sobre a Marcopolo e inclusive tb sobre a comil(que me fez procurar informações desta e acabei conhecendo sobre a Eliziario)tem coisas que realmente marcam.
Novamente parabens a todos os responsáveis por essa bela reportagem (que se for vista por uma pessoa de boa visão faria um documentário na tv sobre a mesma pois quantas empresas no Brasil lá do passado deixaram saudades... "Viver a cultura é fazer parte da história; Apreciar a história é como uma viagem de onibus, ninguem esquece a primeira." ass. Carlos W. Oliveira cwcuca1@hotmail.com

Crivellaro disse...

Caramba.... O cara que fez essa matériaé um monstro.
Parabéns. É mais uma história retirada direto do baú para nossa mãos. Quando imaginaríamos que alguem tivesse coragem e ousadia para escrever algo desta marca tão importante e histórica que foi a Eliziário... Parabéns meu caro: Nostalgia Pura.

Anônimo disse...

As Carrocerias Eliziario fizeram parte de minha infância. Inicio dos anos 60 eu tinha então 9 anos. Minha vó morava perto da fábrica,eu crinça, fugia de onde ela morava, para vir olhar os ônibus e chassi que ficavam em grente a fábrica.Criança, eu ficava facinado com aquelas máquinas novinha na minha frente. Este blog, resgatou meus tempos de criança. Hoje moro perto da antiga fábrica..quando passo em frente fico imaginando aqueles ônibus da época parados ali em frente. Uma historia que tempo não apagou na lembrança de muitos.

Dorival Nunes disse...

MAGNÍFICO material tanto em imagens quanto nas informações. Sem dúvida, uma excelente fonte para pesquisa sobre o assunto. Parabéns a todos que se uniram para este propósito.

Correia disse...

Meu avô trabalho nas CARROCERIAS ELIZIARIO

Roberto Martini disse...

Minha nossa. Matou pau, parabéns ao Marcos e a quem esteve ao seu lado, relembrar e buscar informações desde 1920 não é fácil... Este trabalho é para quem valoriza e dedica-se aos grandes valores que existiram neste estado, coisa que os politicos e a sociedade de hoje em sua grande maioria não valoriza mais... Eliziário, VARIG, Wallig são nomes que nunca poderiam deixar de exitir, deveria doer na conciência destes politicos corruptos que ajudaram a enterrar estas grandes marcas que representavam o Rio Grande do Sul no mundo inteiro... Mai uma vez meus sinceros parabéns a este grande e corajoso jovem Marcos Jeremias e sua equipe pelo excelente trabalho...!!!

Adriene L.E. disse...

Parabéns a todos os que estiveram ao lado do autor da reportagem... Sinceramente o cara é um monstro e com uma grande equipe que buscou no fundo do baú o melhor para trazer a tona a história desta grande empresa que foi pioneira na Fabricação de Ônibus no Brasil... Parabéns a todos....!!!!

Mario Zafine disse...

Karaca meu véio... Isso sim eu chamo de nostalgia pura... Parabéns ao cara que fez este grande trabalho, merece um prêmio pois é uma história rica em detalhes e informações. As revistas deveriam incentivar mais este tipo de trabalho com pessoas anônimas assim. Parabéns.

Marcus Anversa disse...

Parabéns, sensacional!!!! Uma verdadeira história de pioneirismo,empreendedorismo e de inovação tecnológica das carrocerias de ônibus do Brasil, a memória da lendária Eliziário.

Mais uma vez, parabéns aos autores.

Danilo nunes disse...

Fantástico o documentário sobre o Mega Eliziário,pioneiro sem fronteiras, fundou e conquistou um pais e outros paises! parabéns, que deus o tenha, porque homens como vc não existem mais!

Anônimo disse...

O que me deixa triste é ver que estamos perdendo muitos dados historicos... parabens pelo texto!!
Na foto do Bi-campeao no RJ, existe um predio ao fundo, é de uma concessionario da Willis Overland - Se bem obeservado pode ser visto um W e O na arquitetura do prédio... uma história puxa a outra... não sei se a concentração de onibus tem relação com a revenda ou se existiam outras proximas.
fico a disposição. karlosaferreira@hotmail.com

Pablo Juarez Fernandez disse...

Kacetada..... Minha nossa... Quem fez este texto..???????

Parabéns, texto muito bom, gostaria de ver matéria de outras fábricas também, sou admirador de ônibus, meu pai trabalhou na Nicola em Caxias, tenho alguma coisinha antiga aqui em casa, se desejarem, entrem em contato comigo no e-mail......

Mai uma vez parabéns.... Tem alguma revista ai hein....????? Vamos contratar este expert em ônibus antigo........

Mauricio de Andrade Silveira Andrade Silveira disse...

Prezado Pablo!

Muito obrigado por você ter entrado em contato conosco.
Se puder, por favor envie o material antigo que você possui em casa para o nosso e-mail.
Teremos o maior prazer em publicar as suas histórias.

mauricio_silveira_andrade@hotmail.com

Att: Mauricio de Andrade Silveira
Administrador do Blog Showroom Imagens do Passado.

Mauricio de Andrade Silveira Andrade Silveira disse...

Prezado Pablo!

Muito obrigado por você ter entrado em contato conosco.
Se puder, por favor envie o material antigo que você possui em casa para o nosso e-mail.
Teremos o maior prazer em publicar as suas histórias.

mauricio_silveira_andrade@hotmail.com

Att: Mauricio de Andrade Silveira
Administrador do Blog Showroom Imagens do Passado.

Anônimo disse...

Parabéns pelo belo trabalho, pois se hoje embarcamos em onibus confortáveis é por que houve pioneiros como o senhor Eliziário, que não mediram esforços para inovar nesta área. mostrando que o Brasil precisa e muito de senhores do calibre do Seu Eliziário Goulart da Silva e de muitos outros pioneiros que para a infelicidade geral da nação hoje já não estão entre nós.

Carlos Paiva disse...

Excelente matéria.Parabens a todos do Blog.
Tive oportunidade de fazer algumas viagens no mais charmoso e valente onibus que conheci,o Bi-campeão com chassis Scania.
O trabalho de restauro da Sogil foi muito bom também.

Anônimo disse...

Sou apaixonado pelas carrocerias Eliziario, era a maior e mais famoso do sul, e me traz boas lembranças.O onibus as Sogil nao esta original a frente é uma mistura de marcopolo com eliziario

Anônimo disse...

Gostaria de ver as fotos por ano de evolução da ELIZIARIO do bi campeao pra frente sei todas mudanças mas antes fica mais dificil se fosse possivel ver fotos por ano seria otimo.Pena que nao sobrou nada , na época lembro que os onibus iam pra Eliziario tiravam a carroceria e colocavam uma nova no chassi antigo, UMA PENA,,,,

Antonio Carlos C. Pacheco disse...

Meu prezado, tenho lido e relido esta reportagem e a cada vez que o faço, mais lembranças me vem a mente. Morei na Vila do IAPI entre 1953 e 1979 e acostumei-me a viajar nos ônibus Eliziário das empresas Bianchi, Lindóia, Nossa Senhora do Trabalho, e muitas outras, participei do desenvolvimento da Eliziário como usuário e admirador. Por esta razão, seu trabalho tocou-me sobremaneira.
Parabéns! Muito bem elaborado e demonstrando todo o respeito que o brilhante empreendedor Eliziário é merecedor.

Dj Mercy no Bus disse...

Realmente sensacional a reportagem!!
Eu também gostaria de ver fotos da evolução ano a ano até o último Eliziário...
Aqui perto da minha casa em Gravataí, tinha um Elizário Astro (creio eu) olha ele aqui>>http://onibusbrasil.com/foto/189915/

Parabéns para todos q colaboraram com essa exelente matéria

gilberto lima disse...

Que bom que exitam pessoas como vcs a fazer a vida ter sentido,claro que o futuro é muito importante,mas o passado nos traz a vida de volta quando viajamos nesta exposição do meu tempo ,maravamos na vila Ipiranga e iamos até a ELIZIARIO, pra pegar no lixo da empresa umas rodinhas de feltro que não sei do que era, mas faziamos caminhãozinhos,tinhamos dois vizinhos que trabalhavam na ELIZIARIO,seu Manuel e seu Antoninho Idalencio, tinha uma Vespa toda enfeitada, mas essa exposição de fotos e historia da ELIZIARIO me comove .parabens a vcs que são verdadeiros piratas com tantos tesouros ai para nos hoje vermos.que DEUS abençoe.

fabioms disse...

Muito legal o artigo. Diversas dessas histórias conheço de ouvir pela minha mãe, segunda esposa dele (Eva Glacy). Pouco convivi com meu pai (somente meus primeiros 5 anos de vida), mas suas histórias e seus exemplos marcaram minha vida.

Obrigado por relembrar esta história e exemplo de vida.

Anônimo disse...

Lembro que em 1988 trabalhei na fundiçao becker no cristo redentor e uma vez sem querer fui pegar o meu onibus para gravatai em frente ao hospital, como tinha muito movimento naquele horaario resolvi dar uma caminhada, subi uma pequena lomba e me deparei em frente a fabrica eliziario, nao acreditei que ali era a fabrica daqueles onibus que eu andava e como guri gostava de desenha-los, voltei ao tempo parecia que eu estava vendo os onibus sairem de la de dentro, escrevo com muita tristeza por nao manterem esses predios ainda vivos, somente na nossa memoria, e uma pena.

Sydney Junior disse...

Realmente excepcional o estudo com todo este histórico das carrocerias do Sul... Parabéns a todos os responsaveis e que este site possa estar sempr a disposição dauels interessados pela história do ônibus e suas carrocerias...
Sydney Junior
Cia de Ônibus

Anônimo disse...

Parabéns pela iniciativa de fazer um blog como este, onde os mais velhos pode recordar e os jovem poder ver como tudo começou. Hoje temos belicimas carroceria, mas apenas evoluiram, mas aquelas foram criadas. Pena que hoje só podemos contemplar por fotos, pois encontramos pouquissimos examplares daquela época. De Hamilton - SP 15/12/2012

HBM ASSESS IMOB LTDA disse...

Me emociono a ler coisas dos tempos de outrora, principalmente da querida Porto Alegre e os que fizeram esta cidade crecer. Conheci o sr. Eliziario já nos fins de seus dias. Através de um amigo muito próximo. Sendo dor amo imobiliário esta proximidade deu-se em função do Sr Eliziário ser proprietário de imóveis. Começando no ramo em meados dos anos 80, restou ao nosso escritório gerir alguns aluguéis das propriedades deste pioneiro. Residia o mesmo, creio que em um apto próprio na Furriel junto a Carlos Gomes. Acompanhei quando jovem e ainda hoje me interesso pela biografia destes grandes empresários. Há muitos que se poderia, inclusive quanto ao lider Jair Boeira qu fundou os complexos, Cristo Redentor e Hospital Conceição, tendo junto o benemérito Eliziário. Nunca esqueço, o lamento deste, divulgado em jornal quando um ônibus encorraçado pela sua empresa, despencou lomba abaixo sem freios justamente numa rua junto de sua empresa e colidindo ja na Assis Brasil incendiou onde morreram alguns passageiros carbonizados. Se não me é falho era da empresa que fazia o trecho Vila Floresta (Cristo Redentor). Mas são velhas histórias. No tocante a este excelente trabalho, muito bem elaborado com um digressão, nem didática nem jornalistica é como se fosse um pai contando uma história a um filho. Elogiável e só merece nosso aprêço. Obrigado a todos que nos ofereceram esta possibildiade de olhar o espelho detrás de nossa história, não só pessoal mas de todos nós que por aqui estamos de passagem. Que Deus tenha em seu reinado esta homem que forjou seu espaço por aqui. Grato. pelo espaço. H.B.Martins (advg)

Tiago disse...

Na cidade de Alvorada/RS, há um Eliziário, na cor verde, que vende verdura pelas ruas.

Marcelo Prazs disse...

Trabalho de pesquisa FABULOSO, parabéns a todos os envolvidos. Ao Salomão Jacob que conheci no VVR, um grade abraço. Marcelo Prazs (amigo do Edegar Rios).

Marcelo Prazs disse...

Trabalho de pesquisa FABULOSO, parabéns a todos os envolvidos. Ao Salomão Jacob que conheci no VVR, um grade abraço. Marcelo Prazs (amigo do Edegar Rios).

Sara disse...

Eu adoro ver esse tipo de coisas velhas na rua, eu espero que você vê-lo ao lado de obter algumas fotos para mostrá-lo, desde que você pode trabalhar para fora antes de restaurantes Bela Vista

Anônimo disse...

Hi there! I simply would like to give an enormous thumbs up for the great data you’ve here on this post.

I will likely be coming again to your blog for extra soon.


Feel free to surf to my blog: seoulbeats ellie youtube

Anônimo disse...

Parabéns pelo excelente trabalho em recuperar um pouco da memória da Eliziário . Adorava subir aquela lomba para observar os veículos da Eliziário estacionados em frente à fábrica . Velhos tempos !!!!

samuel uchiha disse...

esta reportagem sobre a eliziario foi exelente porque me lembrei quando andava nos onibus eliziario fnm da empresa unisul foi muito bom obrigado por esta otima reportagem lembrando deste grand fabricante de onibus

Anônimo disse...

agradeco em poucas palavras: muito obrigado

Anônimo disse...

muito obrigado

Paulo Geraldo Meyer disse...

Nos meus tempos de escola, em Porto Alegre, andei muito nos ônibus da Empresa Bianchi e posteriormente na Auto Viação Navegantes, ônibus com as carrocerias Eliziário, lembro muito bem... Era uma marca registrada,e meus colegas e eu, costumávamos desenhar, automóveis e ônibus, dentre os quais, aparecia sempre algum coletivo exibindo, além da marca destas empresas de ônibus, também a marca das carrocerias, como a Eliziário, a Marcopolo, a Nicola... Paulo G. Meyer

jorge charles disse...

Moro em Vitória/ES., não há palavras que retratem e zelo, amor, o saudosismo a gratidão daqueles que tornarm possivel essa viagem ao passado. Tinha que ser pessoas de amor a vida, ao passado e aos pioneiros que nos trazem à essa emoção. Parabens. Gostei muito.

rafael aquilino michelon disse...

simplesmente magnifica reportagem me emocionou bastante parabens

RENATO LIBECK disse...

SEM PALAVRAS !! EXCEPCIONAL TRABALHO DE VOCÊS !! PARABÉNS !! ESTOU EMOCIONADO !! RENATO LIBECK - LAVRAS - MG.

nightrider disse...

Olá,gostaria de saber se a Elisário teve ônibus aqui em SP.Uma amigo disse que não.

Anônimo disse...

A fábrica da cermava foi comprada pela metropolitana e não pela concorrente caio, depois foi que a caio as comprou já em 72. e a incasel voltou ao mercado como comil

Diego Barbieri Kreische disse...

Parabéns por tal reportagem, sou bisneto de Eliziario e me emociona sua história. Sou neto de Humberto e Aldamira. Diego Barbeiri Kreische. Obrigado.

Anônimo disse...

Parabéns pela matéria. Desde pequeno sempre tive interesse em ver e andar em ônibus. Tive o privilégio de andar nos antigos bi campeão (da empresa biachi, linha 08-IAPI, da Trevo, linha 73 CAMAQUÃ)e nos primeiros veneza (da empresa murialdo-linha 61-CEFER), então, lendo a matéria voltei à minha infância.Até hoje, com 47 anos, me pego surpreso e sempre admiro quando entra em circulação em novo modelo de ônibus. Forte Abraço! Júlio

José Gabriel Costa disse...

Gostaria de saber se alguém tem fotos dos onibus Veneza II da Murialdo Vila Cefer. Eram brancos com detalhes azul e vermelho em 1978. Aguardo contato. Abraços! José Gabriel Costa. e-mail jose.g.costa@gmail.com

Grupo de trabalho CZ disse...

Nos Anos 70, fiz várias viagens à Salvador Bahia e o Ônibus era um Diplomata Scania Vabis B76. Tenho quase certeza de que a Carroceria era Eliziário... A Cabine do Motorista era um Salão, por acomodar além do motorista, o capô do motor e a poltrona leito do motorista reserva.... Bons tempos.. Ah! uma das viagens foi pela BR 101, não me recordo o motivo mas, no caminho paramos para ajudar a resgatar oum motorista de um ônibus de uma Viação Princesa, que havia descido um barranco e estava apesar de ileso, preso entre o banco e o guidão, com a ajuda de um caminhão e cabos de aço, conseguimos afastar o suficiente para podermos retirar o motorista que por si só subiu o barranco, chegando lá em cima, desmaiou... Mas ficou bem. Mais à diante, o ônibus precisou entrar em uma cidade bem pequena no caminho para reabastecer, e ainda assim ao chegar em Salvador, próximo ao que à época havia uma instalação de um representante ou oficina dos ônibus e motores Cumins, (que eram usados como ônibus urbanos em Salvador) o combustível acabou novamente.... Boas estórias...

Cah disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cah disse...

Sou bisneta de Eliziário Goulart da Silva, neta de Aldo Goulart da Silva. Agradeço pela riqueza de detalhes da matéria que me fez viajar na história da minha família. História que eu nunca soube com muitos detalhes até fazer uma busca online e encontrar esta página. Obrigada por ter resgatado parte da história que eu estava procurando.
Camila Estrela da Silva

Anônimo disse...

sou neto do eliziario sou nilton goulart da silva lindo trabalho me emocionei pois foi exemplo de vida e muita saudade parabéns a vcs todos resgatando o passado para o presente de pessoas importantes que estiveram conosco e fizeram a sua parte. sem palavras.

serginhoprofessor disse...

Eu estava pesquisando sobre a Nsa Sra do Trabalho e achei este blog. Não tinha as respostas que procurava, mas me deu uma aula de história sobre o transporte coletivo em Porto Alegre.
Muito obrigado por esse passeio no tempo!

Julio Honorato disse...

Cara...sensacional essa reportagem! Tenho 26 anos, não vivi esta realidade, mas meu Pai me conta muito sobre esse tempo, viajou muito nas carrocerias Eliziario e Nicola.. E viveu o passado Glorioso da Nielson com os imponentes Diplomatas...não sou Busologo,mas sou apaixonado por ônibus e pela historia Brasileira e tenho orgulho de trabalhar em uma empresa que ajudou a construir essa história, nos arquivos da Scania há muitas fotos com esses preciosos modelos. Parabéns! Reportagem digna da história que essas empresas representaram e algumas ainda representam para a nossa indústria nacional!

Sonho de festas disse...

Voltei ao passado, pois fazem 60 anos que moro na Enes Bandeira, muito boa a matéria.

Paivinha9831 disse...

Grande acervo. Parabéns a todos.

Unknown disse...

Olá, sou mineiro de Juiz de Fora e gosto muito de visitar blogs com esse tipo de material. Apreciei muito seu trabalho. Parabéns!
Não sei se conhece um blog de nossa cidade com conteúdo antigo. Poderá visitá-lo.
http://www.mariadoresguardo.com.br/

Isaias Goulart disse...

muito bom este documentário pois meu pai trabalho nas carrocerias eliziaro por 25 anos me lembro quando pequeno me levava la muito bom mesmo.

João Fernando Krahe disse...

Primeira vez que vejo artigo sobre a estória da Eliziário. Artigo sem dúvida brilhante, de primeira classe mesmo, escrito por quem conhece assunto sobre ônibus. Ao ler sobre os leitos da Minuano introduzidos na linha Porto Alegre-São Paulo, muito me lembrei das dezenas de viagens que efetuei nos mesmos. Levávamos cerca de 19,30 horas, eram Scanias 75, e eram ao que me recordo, dois motoristas, pois revezavam-se depois de quatro horas ao volante. A viagem era toda pela BR-116 e naquela época não havia nada de direção hidráulica e outras maravilhas de hoje em dia. E muito menos havia os paradouros como atualmente. Mas sem dúvidas tempos maravilhosos especialmente para quem gosta do assunto ônibus e caminhões como eu.
Meus cumprimentos.

João Fernando Krahe

Luis Dal Corso disse...

Ótima matéria: parabéns aos autores. Morei na rua Fernando Abott de 1965 ( quando tinha 5 anos de idade) até 2003. Lembro bem da fábrica da Eliziário e de seus ônibus. Lembro de um terreno baldio na esquina da minha rua (a uma quadra da fábrica) onde ficavam temporariamente os chassis esperando a vez de serem encarroçados e onde jogávamos futebol. Lembro inclusive de um amigo ter pego uma bolota da alavanca de cãmbio de um deles.... Homens empreendedores como o sr. Eliziário Goulart deveriam ter a sua memória melhor homenageada por nossos governantes, mas infelizmente a preocupação da maioria dos politicos é somente encher os próprios bolsos....

Grupo de trabalho CZ disse...

Fantástica reportagem !!!
Em 1977, fui com um Tio, na Autorizada Chrysler Brasil, A Agência Nova Texas (Rio de Janeiro) Buscar um Charger R/T, Branco Valência, emplacado NT 1247... Com meio teto de vinil na cor "café com leite" não me recordo o nome correto. Foi uma experiência muito especial, pois no final da tarde, voltei de carona com meu Tio até Niterói, logo no princípio do "retão" da Ponte Rio Niterói, ele perguntou, "quer sentir a potência??" ao mesmo tempo em que afundava o pé no acelerador, colamos as costa no banco.... Foi uma gargalhada emocionante e nervosa... Bons tempos....
Parabéns.
Forte abraço.
Carlos Z Jorge.

Anônimo disse...

ótima reportagem,adorei.
Tenho um Marcopolo Torino GV MB OF 1620 de 1995, estou restaurando e pretendo montar meu motohome no mesmo. Agora entendo a origem de todo esse alumínio no Torino, associada a mecânica Mercedes Bens.

Evandro Viana

carlos Mackalister disse...

Parabéns pela matéria.

Cleo Brum disse...

Maravilha,adorei mesmo! Procuro fotos das antigas empresas de ônibus de Canoas já extintas, para um trabalho:Empresa de ônibus Vitória,empresa Chácara Barreto e empresa Rio Branco. Quem tiver fotos,favor fazer contato pelo tel 51 30325099 e-mail amigo.57@hotmail.com Cleo Brum Obrigado.