Pesquise aqui os títulos do blog

Carregando...

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Especial Equipe Jota Cardoso Show

Reportagem especial com a Equipe Jota Cardoso Show
"VOLANTES VOADORES"

   Prezados visitantes! Antes de começar a contar a história da  equipe Jota Cardoso Show, quero contar à todos vocês, como foi que eu, junto com o meu amigo Paul William Gregson encontrei esta equipe. 
   Assim como o Paul, eu também gosto e admiro muito  a linha Ford Maverick.
   Durante anos, eu sempre pesquisei e colecionei fotos e todo o material referente a este carro. 
    Em uma certa ocasião, eu assisti um vídeo no Youtube, onde apareciam diversas fotos do Ford Maverick.
    Algumas já velhas conhecidas, mas nesse mesmo vídeo apareceram duas fotos, que chamaram muito a minha atenção.
     Entrei em contato, com o produtor do vídeo e alguns dias depois ele me enviou as duas imagens. Essas fotos, ficaram guardadas em meu acervo, durante um bom tempo, quase esquecidas. 
     Como eu mencionei logo acima, eu sempre guardei todo e qualquer material, referente ao Ford Maverick, e também alguns nomes, que de uma forma ou de outra estavam ligados a este carro, tais como Luís Fernando Baptista e seu filho batistinha, Paul Gregson entre tantos outros.
     Logo após o lançamento do livro ( Ford Maverick  um ícone dos anos setenta ) escrito pelo Paul, eu comecei a me comunicar via e-mail com ele.
    Trocamos algumas fotos e algumas informações por um bom tempo.
     Até que um dia, eu me lembrei daquelas duas fotos, que estavam esquecidas no meu acervo.
    Prontamente eu as enviei via e-mail para o Paul, tentando obter alguma informação referente aqueles dois carros.
     Para a minha surpresa, nem mesmo o Paul sabia do que se tratava.  Me lembro como se fosse hoje, o que o Paul me disse, " Não sei do que se trata, mas posso te afirmar que não tem nenhuma ligação com a Ford do Brasil" .
     Mas como todo bom pesquisador e escritor, o Paul ainda me disse, " Vou me informar com as minhas fontes "Fordianas" e lhe dou um retorno.
    Alguns dias depois, recebi a resposta do Paul dizendo, que nem mesmo as tais fontes " Fordianas" , sabiam do que se tratava.
    Mas no mesmo e-mail o Paul deu uma sugestão que eu ainda não tinha pensado.  
    Pediu que eu desse uma melhorada nas fotos, e tenta-se ler o que estava escrito no letreiro da porta daquele Ford Maverick pulando rampa, uma foto meio turva, meio desfocada.
    Melhorando a foto, consegui mais ou menos ler algo.
    Algo como Equipe João C..... . Enfim, isso ainda não estava me dando nenhuma informação concreta.
    Entrei no Google e comecei à pesquisar.
    Alguns momentos depois encontrei uma  pequena referência.
    Mas não tinha nada à ver com " Equipe João Cardoso " , e sim com a Equipe Jota Cardoso Show .
    Mesmo assim ainda no Google, não encontrei nenhuma referência.
    Até que então, eu decidi procurar no site de relacionamentos Orkut.
    Não deu outra!
    Encontrei, um perfil, da Equipe Jota Cardoso Show. Ao olhar as fotos pude constatar, que a nossa pesquisa  havia obtido sucesso.
     Deixei um recado para a equipe, mesmo assim mandei um e-mail  e também os adcionei no msn.
     Após alguns dias recebi a resposta da equipe dizendo que aceitava fazer a entrevista.
     Após conversei com a neta do senhor Jota Cardoso, a Samira e descobri que a  equipe reside na cidade de Jarinu no estado de São Paulo.
     Eu na impossibilidade de viajar, para fazer essa reportagem, passei a bola para o Paul, que no mesmo momento se prontificou a viajar até a cidade deles para fazer a entrevista. 
     Feita a entrevista, constatada a existência de material fotográfico de época o Paul me disse que tinha duas sugestões para trazer à tona esse material.
     Enviamos esse material, para possíveis interessados, que na ocasião não quiseram publicar nada à respeito, por que acharam que não venderia, pois não haveria um publico alvo.
      Então o Paul enviou esse material, para a equipe da revista Classic Show Magazine , que prontamente se interessou e decidiu publicar a reportagem.
      Coincidência ou não, a descoberta por nós da Equipe Jota Cardoso Show , aconteceu  justamente no ano em que o Ford Maverick, completou os  quarenta anos de lançamento nos Estados Unidos, no ano de 1969.
      Trazendo então ao conhecimento de todos essa bela história e também ótimas e inéditas imagens do Ford Maverick e também de tantos outros carros.
       Encontrar essa equipe, e fazer esse trabalho, junto com o Paul, para mim particularmente, é um motivo de muita honra e de muito orgulho, pois é o primeiro trabalho meu como pesquisador, que veio a ser publicado em um meio de comunicação tão renomado e reconhecido com a revista Classic Show.
        Não somente por isso também, mas por estar ajudando, a cultura antigomobilistica do nosso país, que por causa do interesse de poucos, leva a grande maioria das pessoas, a não pensarem no futuro, a não guardarem nada que os remeta ao passado, tornando a cultura do nosso país infelizmente menos rica.

Equipe Jota Cardoso Show por: Paul William Gregson.

   Coisas  da  tecnologia: eis que  um  dia  recebo  um e-mail  proveniente  do  meu  site  http://www.museumaverick.com.br/ com umas fotos curiosas de um Maverick voando em uma rampa entre outras bem interessantes.
    Era Maurício de Andrade Silveira, gaúcho de São Leopoldo/RS, que mandava as curiosidades e depois de vários e-mails trocados tinhamos muitas informações e tudo o que foi descoberto é agora dividido com os amigos Antigomobilistas.
    Uma história que se repete ao longo dos últimos 50 anos não pode deixar de ser relatada ainda mais se é cheia de adrenalina, viagens, família unida e muitos carros!
     Estamos tratando de uma figura multifacetada que atende pelo nome de batismo de José Pedro Gerônimo Cardoso (nascido em Armazém/SC no início dos anos 1930), mas que é conhecido no mundo das artes musicais e espetáculos como Zezinho Brasil ou Zezinho do Acordeon e que  no mundo dos espetáculos automotores como J.Cardoso, mais tarde foi "rebatizado" por ninguém menos que Mauro Salles, como  JOTA CARDOSO.


A partir dessas duas fotos, foi  iniciada a pesquisa em busca da equipe.


Vamos ao começo

      Nos anos 1950 as Irmãs Castro, um duo de cantoras (Lourdes e Maria),percorriam os clubes com suas vozes marcantes levando os casais enamorados ( e os que queriam ficar enamorados ) à pista de dança. 
     Eis que certa feita surge aos 16 anos de ida-de , um rapaz com uma mala e um acordeon ( também conhecido como gaita ou sanfona) e se torna o músico da dupla.
     Lá foi o então músico, Zezinho Brasil acompanhar o duo, tornou-se empresário e casou com Lourdes e, além de cuidar das apresentações delas, cuidou dos destinos nos palcos de outros artistas como, Mazzaropi, Vicente Celestino, Orlando Silva, Carlos Gallardo e Luis Bordon e organizou eventos culturais como o " Show  dos  Milhões"   e
 "Espetáculo dos Séculos" , onde os ingressos vendidos no Brasil inteiro perimitiam o acesso a  apresentações com 5 e 10 astros ( respectivamente) de alta grandeza, além de concorrer a 21 prêmios diversos.
    Mas, Zezinho Brasil foi além, e certa feita, antes das apresentações musicais, pegava seu VW 1200 e saía pela cidade fazendo manobras para chamar a atenção da população e assim, garantir mais público.
    Nessa época, existia o Simca Show, mantido pela empresa homônima e que tinha à frente de sua organização e realização o piloto-empresário Euclides Pinheiro, que realizava manobras de derrapagens controladas e andar em duas rodas.
    Em determinado momento, em viagem pelo Estado de Minas Gerais, o destino quis que o músico Zezinho Brasil conhecesse essa equipe e o piloto Durval Marino, ambos tornaram-se amigos.
    

Cartas  comunicativo, informando a apresentação da equipe com os veículos da marca Simca.

     Como a "estratégia de marketing" dos shows musicais era muito parecida com o "ritual" do Simca Show a aproximação foi inevitável e o músico recebia aulas e treinamento do piloto.
    Com o encerramento do Simca Show, a personalidade do músico mudou de vez para se tornar um piloto, e dos melhores!
    Engana-se quem imagina que a música ficou de lado, foi uma mudança com ênfase em agregar.
    Nessa fase da vida, o VW 1200 fora substituído pelo frágil Gordini, mas que mesmo assim, seguia o mesmo caminho: show musical mais manobras radicais.
    A primeira apresentação oficial foi em 1962 na cidade de Guaraci/PR e o já batizado J. Cardoso andou com seu Gordini em duas rodas.
    Como o Gordini era um produto Willys e em 1967 esta empresa foi incorporada pela Ford, o contexto começava a mudar e tornaria-se menos amador e bem mais profissional.
    Até então, quem mantinha tudo era o músico-piloto e com a chegada da Ford na linha de veículos com a fábrica que fora da Willys, o publicitário Mauro Salles,  que cuidava de toda  a parte de comunicação da montadora, chamou o piloto "J. Cardoso " para uma conversa objetiva e entender o quê era aquilo que ele fazia com o Gordini.
    Saiu dessa reunião com um novo nome: JOTA CARDOSO.
    Afinal  o "J " pode ser qualquer coisa!", segundo o executivo da montadora.
    Nome novo, o próximo passo foi desenvolver as apresentações com o novo carro: o Ford Corcel.
    E assim, o Gordini foi aposentado e o novíssimo Ford Corcel entrou  na história e para a história.
   A estratégia era fazer apresentações em  frente às concessionárias que se mostrassem interessadas em receber a equipe e assim, motivar os consumidores a conhecetem o novo produto, afinal a loja da cidade que era Willys, agora era FORD e era preciso fazer com que todos soubessem disso e de forma muito rápida.
    A equipe começou suas apresentações em 1967 mesmo na cidade de Crato/CE, e o  esquema era o seguinte: a equipe JOTA CARDOSO ia até a cidade e o concessionário local emprestava carros de seu estoque para que  fossem usados nas apresentações.  
    Dessa forma, mostravam ao público que eram carros comuns e os custos com transporte eram mais baixos.


Jota Cardoso ao lado de uma F-100 utilizada nas apresentações.


    Tecnicamente, todos os produtos FORD, podiam participar das apresentações e até mesmo o pesado Galaxie participou.
     Mas, o bom mesmo era usar um carro pequeno e o Corcel era o ideal.
    Conforme a mudança da linha, os novos carros eram incorporados e o Corcel se tornou o  carro oficial do final dos anos 60 até o meio dos 70, quando entrou o Maverick.
     Nessa época, a Ford já havia disponibilizado um certo número de carros exclusivos e identificados com pinturas especiais para a equipe com o apelido "VOLANTES VOADORES" .
     Comentário importante: toda vez, que nesse texto, que exista a menção de EQUIPE, é válido explicar que se trata de Jota Cardoso, sua  esposa  (a cantora Lourdes) e seus dois filhos, além do amigo Ivan, todos morando e viajando dentro de um caminhão trailer.
     Consta que, aos 16 anos, o garoto Ivan, assistiu a apresentação da família-equipe e embarcou com eles.
     Passados 40 anos, ainda faz parte do time... portanto, pode-se dizer que a família cresceu com a chegada do Ivan.
                                              
Família unida: na foto estão Ivan, Jota Cardoso, Lurdes Cardoso e Kiko

                                                    
                                                                                                                   
    A equipe ainda mantinha o  mesmo show, composto  derrapagens controladas  e andar em duas rodas   , mas resolveu invovar, colocando pequenas e baixas rampas para que os carros (sim, mais de um) passassem rapidamente e saltassem com um lado apenas das rodas, sendo seguido bem de perto pelos demais. 
    Claro que isso  foi pouco, e foi feito o "balé" , onde os carros mudam de lado no momento do  breve salto. Nem é preciso dizer que a equipe começou a inovar, e uma rampa maior, com um vão livre de 7 metros foi planejada.
     Os carros literalmente voavam de um lado para outro.
    Outra manobra incorporada  foi o para-choque humano, onde uma pessoa é colocada deitada à frente da grade dianteira do veículo que sai em disparada pela pista  sendo seguido por outro veículo.
    Em determinado momento, o veículo que está atrás, ultrapassa e faz uma derrapagen parando de frente ao outro, com a pessoa no meio de ambos.

       As apresentações da eqúipe Jota Cardoso, traziam multidões e era marketing certo!

                                                                                    
     Os  anos foram passando e em 1976 surgiu a ideia de fazer o " looping " , ou seja um giro completo em pista.
     A FORD achou a ideia  arriscada demias e a equipe foi incorporada pela estreante ítalo-mineira FIAT, que colocou os novíssimos 147 à disposição.
     Rampa construída e testes iniciados.
     Claro que estamos falando de teste no sentido exato da palavra! Foram destruídos 8 carros até o ângulo, a altura e a velocidade fossem ideais.
     O nome era looping mas em uma determinada cidade, um  expectador da cidade de Araraquara/SP, pasmo com o que seria feito, comentou; " isso é a roda da morte " .  
     Bem, a ideia do nome foi aproveitada embora alguns prefiram ainda  chamá-la de roda ou simplesmente looping.
     A equipe permaneceu fazendo as apresentações com o apoio oficial da Fiat  até 1993, quando começou a trabalhar de forma independente, diminuindo o ritmo mas nunca parada.
     Agora a nova geração está se preparando para retornar e o JOTA CARDOSO faz o coaching da neta Samira, que já está " mais do que preparada " para a maioria das manobras.
    Os equipamentos estão guardados em duas carretas prontas para serem montadas, inclusive a " roda da morte " .


           Roda da morte o número da equipe Jota  Cardoso que a Ford não aceitou e a Fiat topou.

    Fonte das Imagens: Acervo Pessoal da equipe Jota Cardoso Show e Paul William Gregson
                    e-mail para contato: equipejotacardoso@hotmail.com   

____________________________________________________________________________     


O dia da entrevista:


    Para fazer essa reportagem, Paul Gregson, viajou até a cidade de Jarinu no interior de São Paulo, a bordo do seu Ford Maverick GT 1979, tudo isso para criar um clima de nostalgia no dia da entrevista; Veja abaixo algumas fotos.


Paul entregando o livro " Ford Maverick um ícone dos anos setenta" ,
ao homem que querendo ou não fez e faz parte da história deste e de outros carros.

Nesse mesmo dia o senhor Jota Cardoso, fez questão de levar o Paul, para conhecer os equipamentos da equipe.

O senhor Jota Cardoso, nos mostrando o seu outro talento a música.

   Depois de dois meses de pesquisa e três meses de espera, aqui está a nossa recompensa.
    A publicação da matéria na revista Classic Show Magazine.edição de número 49.
    Agradecimentos à toda a equipe da revista. Muito obrigado pelo reconhecimento.
_________________________________________________________________________________
Depoimentos sobre a reportagem:


   " Pesquisar a história da Equipe Jota Cardoso Show, foi um trabalho que me deu muita satisfação e orgulho.
    Jamais eu pensei que aquelas duas fotos um dia renderiam um trabalho como este.
     Poder trazer ao conhecimento de todos uma história como essa, é muito bom, pois logo que eu comecei à procurar por eles, existia pouquissíma referência sobre a equipe.
    Acho que todos nós, devemos sim, preservar e incentivar a cultura no nosso país em todos os aspectos.
     As vezes coisas cotidianas, ou comuns à todos nós pode daqui à alguns anos se tornar algo de muito valor.
    Quero agradecer ao senhor Jota Cardoso, sua neta Samira e também a toda equipe, por terem preservado e zelado todo esse material que foi publicado na reportagem."
Caro amigo  Maurício !
    As boas surpresas da vida sem dúvida acabam surgindo de formas inusitadas. me lembro quando recebi seu email com duas fotos com baixa nitidez mas que traziam um desafio bem visível: tentar identificar do quê se tratava!
   Trocamos alguns e-mails tentando descobrir o que estava escrito nas laterais dos Mavericks voadores e aos poucos fomos descobrindo.
    Você fez todo o trabalho inicial de pesquisa até encontrar o Jota e sua família.
Eu entrei, por seu convite, na sequência indo visitá-los.
    Foi uma emoção muito grande conhecer essas facetas da história do Maverick que eu não fazia idéia existir.
    Conhecer o Jota e a família dele foi outra conquista que resultou nesse belo material que os amigos da Classic Show e do portal Maxicar toparam publicar e agora, já é de conhecimento geral.  
    Obrigado Maurício pela confiança em dividir essa pesquisa comigo, e que venha mais!!!

Abraços:    Paul William Gregson

Showroom Imagens do Passado resgatando histórias.

Por favor deixe o seu comentário!
A sua opinião é muito importante para nós.

Atenciosamente: Administradores do Blog Showroom Imagens do Passado.

COLABORE VOCÊ TAMBÉM!
envie suas fotos antigas e sugestões para:


SEJA VOCÊ TAMBÉM UM DOS  NOSSOS SEGUIDORES.

CADASTRE SEU E-MAIL NA COLUNA LATERAL E SEJA INFORMADO A CADA NOVA POSTAGEM DO BLOG SHOWROOM IMAGENS DO PASSADO.

12 comentários:

Caranguejo disse...

Parabéns Maurício, por resgatar a história do pioneiro Jota Cardoso, a quem tive a oportunidade de assistir aqui em Bagé, em duas ocasiões, em 73/75. A última quando ele e os Volantes Voadores estavam atravessando o país durante a campanha do lançamento do Maveco 4 cilindros. Infelizmente, não tive a oportunidade de ver a Roda da Morte exceto na TV. Vamos torcer para que a Equipe volte à estrada e venha até o sul.
Caranguejo

Anônimo disse...

duas boas historias do Cardosinho como era conhecido no campo de marte onde voavamos era que o cardoso tinha a mania de pousar o avião com a ligua de fora, e portanto se placar o pouso iria ficar mudo porque ia cortar a ligua fora,e a outra aconteceu em Jaboticabal enquanto um de seus pilotos andava com um carro em duas rodas acho que era uma belina ele iradiava pelo microfone a segurança do carro, neste instante o carro capotou e para piorar o carro era de um espectador,passado o primeiro instante da surpresa o cardosinho disse isso foi uma jogada de marqueting e o senhor ira receber um carro novo da ford.
por ultimo o que pouca gente conhece era o lado mistico e cabalistico do cardoso.

Evandro disse...

Saldade das apresentação da Equipe Jota Cardoso, tive o previlégio de assistir a um grande show em Armazém/SC, forte abraço a todos.
Evandro Verona - São Jose/SC

Anônimo disse...

fui previlegiado da aconpanhar eles em show de minas,7lagoas,varginha ,tres coração,americana, Morumbi Shopping,e outros sr.jota, esposa, netas,nora,kiko,ivan,eu e morcego e outros. uma familia de dar inveja a muitos me senti em casa, na epoca estava em jarinu ,hj em sp abraço a familia JOTA CARDOSO, ricardo de a. braga.praia grande sp

Anônimo disse...

Eu tenho várias fotos de quando a Equipe J. Cardoso se apresentou em Capão da Canoa RS. A aprersentação era feita com o Fiat 147 e se não me engano o nome do piloto era Ivan. A praia parou para ver a apresentação junto à Rua Pindorama, próximo ao restaurante Baronda. Um abraço a todos.Maria Inês

Abele disse...

Olha tambem tive o privilegio de ver a apresentação dessa Equipe, na certa é a melhor de todas. Unica "Roda da Morte", ou looping, é um show todos da Equipe Jota Cardoso. Parabens ao idealizador destas manobras espetaculares. Hoje sabemos que existem muitos seguidores, mas os pioneiros são os maiores, pois as condições e extruturas eram simplismente de madeira, hoje sao muito mais modernas.
Grande abraço a todos e em especial da Familia Jota Cardoso.

Abele disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Tive o privilégio de ver a "Roda da Morte" na cidade de Dracena. Marcou a minha infância. Lembro como se fosse hoje! Impressionante o que faziam com um Fiat 147! Parabéns à corajosa e inventiva equipe.
Grande abraço.
Eduardo Penha.

isma disse...

Não me lembro mais exatamente quando, mas me lembro perfeitamente da apresentação da roda da morte com mo fiat 147 em Lavras MG. Pena que essas coisas não existem mais.

thoru disse...

alguem tem fotos quando eles vieram em varginha mg!fiat 147

thoru disse...

alguem tem fotos quando eles vieram em varginha mg!fiat 147

Anônimo disse...

Numa época da minha vida, estivemos juntos, bons momentos vem à lembrança. Depois mudei de cidade e perdi o contato. Se Vc tiver algum contato recente que possa me passar Eu agradeceria. Ouvi uma vez um comentário sobre o falecimento do Kiko mas não consegui informações maiores. Grande abraço. Ariovaldo Passos